Bem estarFonoaudióloga

Desenvolvimento auditivo infantil

Desenvolvimento auditivo

 

Já dentro da barriga o bebê é capaz de ouvir muitas coisas, tanto o que ocorre dentro do corpo da mãe, como seu batimento cardíaco ou sua voz, como sons externos. Com 24 semanas gestacionais, o sistema auditivo pode se mostrar funcional, mas o sistema como um todo, atinge sua maturidade por volta dos 7 anos.

 

A Lei 12.303/10 obriga todos os hospitais e maternidades do país a realizarem o exame da orelhinha, gratuitamente, nas crianças nascidas em suas dependências. Essa lei é uma grande conquista em nosso sistema de saúde, uma vez que é capaz de avaliar precocemente a boa saúde auditiva do seu bebê. É um exame simples, sem contra indicações e pode ser feito com o bebê dormindo. É recomendado que seja feito no primeiro mês de vida, para que, em caso de alguma alteração, a intervenção possa ser feita o mais breve possível.

 

Ouvir não é simplesmente perceber um estímulo. Ele envolve processos neurológicos importantes, que nos auxilia a ter noção de orientação espacial, distância, além de nos guiar o desenvolvimento de fala e de escrita.

 

Em qualquer tabela de desenvolvimento, você encontrará o que o bebê é capaz de fazer para o reconhecimento e localização da fonte sonora. Mas é fundamental que desde pequeno, essas habilidades sejam estimuladas, em especial por volta dos 6 meses de idade, quando a criança começa a brincar mais efetivamente com os sons da própria voz e iniciar o processo da fala. Músicas infantis, historinhas, brincadeiras com os sons dos bichos são excelentes opções. Você pode eventualmente estimular uma orelha de cada vez, cantando uma musiquinha de um lado da criança, por exemplo.

 

Se houver um barulho forte (como o bater de porta) e o bebê não piscar, pode ser um sinal de uma alteração auditiva condutiva, ou seja, alguma coisa está dificultando a passagem do som na orelha externa (como o excesso de cera) e orelha média (como a otite) até a cóclea.

 

A otite média (infecção na região entre o tímpano e a cóclea) é uma das principais patologias auditivas nessa idade. Nem sempre o bebê faz febre e fica difícil de perceber. Resfriados constantes, mamar deitado e infecção de garganta são fatores bastante comuns para a instalação da otite média.

 

No caso de otites de repetição, a longo prazo, a criança pode apresentar problemas no desenvolvimento de fala, alterações no processamento auditivo central (e muitas vezes ser erroneamente diagnosticado com TDHA) e dificuldades no processo de alfabetização.

 

Mamãe, fique atenta !

Por Daniela do Val

NÃO HÁ COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO